Mensagem

Bem-vindo! Ao lado direito do texto desta página, pode-se observar o líder da matilha "Lupinos de RHER" e uma lista de músicas divididas em categorias que pode escutar enquanto permanece na página. A esquerda, o contador com o número total de visitantes que o líder já recebeu aqui, os lobos membros da matilha (ou seja, os seguidores deste blog) e o arquivo deste blog, que está ativo desde 01/08/2010. Abaixo do conteúdo do blog estão os meus animais de estimação virtuais (por favor, alimente-os). Se gostou daqui, por favor faça parte desta família de lobos inteligentes e nos indique a seus amigos: rherwolf.blogspot.com.

31 de dez de 2010

Boas Festas!

Após um tempo descansando, afastado do blog, venho com uma postagem para desejar um feliz natal, um próspero ano novo, boas festas de fim de ano e um 2011 repleto de sucesso, saúde, bom gosto e conhecimento a todos! É claro, não é só isso. Como é de praxe venho postar conteúdo de verdade.

Sabe, o clima natalino é o que mais gosto. Alegria, decoração, união e tudo. O problema é que as pessoas se deixam levar pelo consumismo e, no final, não levam em conta o verdadeiro sentido do natal. Esta é a época em que o menino Jesus nasceu a cerca de dois milênios. Sim, uma data comemorativa milenar! Mas as coisas mudam e o papai noel toma o lugar de Cristo...

No passado, o papai noel era um homem com roupas de frio verdes. Dizem que um cartunista ou a Coca-Cola foi responsável pelo visual morderno dele. A lenda do papai noel, ligada à história de São Nicolau, disseminou-se com o objetivo de criar uma magia empolgante que alegra as crianças.

As boas intenções aparecem com compensações...

Hoje, as pessoas acham que o natal envolve presentear os filhos e decorar as suas casas, nada a mais. Isso é favorável demais para o comércio (sim, é um exageiro desnecessário...) e desfavorável às crenças religiosas. Tudo que as crianças gostam, ainda, não passam de uma fantasia ilusória.

Isso significa que o natal poderia ser algo saudável, mas não está sendo. A solução está na conscientização. Se as pessoas tomarem cuidado com os exageiros, poderão tornar o clima e as festas de fim de ano mais seguras. Qualquer coisa em excesso prejudica, porém o natal com a sua fantasia maravilhosa e um equilíbrio tem sim algo de bom para nós.

Sendo assim, curtam esta época maravilhosa com cuidado no fim de 2011.
Ano novo, venha com tudo, pois estou pronto!!! Então, até o ano que vem.
E aguardem anciosamente pelo final de 2012.

30 de nov de 2010

Dinheiro e Consciência

Existe aquela ideia clássica de que o capitalismo está causando a desgraça na sociedade. Desde criança, escutamos que os ricos são gananciosos e exploram os trabalhadores, a natureza e o próprio poder do $$$. Mas... será apenas isso mesmo? Isso não é tudo a ser analizado.

Observe as épocas natalinas. As festas comemoram a chegada do menino Jesus. Mas reparem: todos se esquecem disso e pensam em presentes, árvore de natal, Papai Noel, ceia de natal, decoração vermelha e branca e tudo mais. Por que...? Reparou que, antes do natal, as propagandas já aparecem festejando? É essa a oportunidade de ganhar dinheiro.

As pessoas gastam dinheiro com comida, festa e presentes sem reparar que é uma época em que gastam muito. Tudo fica mais caro e o povo brasileiro, festeiro, cai nessa! Poucos compram antes da época... mas por que? Impulsividade. "Antes, não importava. Na hora, importa e tem que comprar. Depois, não tem dinheiro."




Fugindo dessa, as pessoas gostam de uma música popular. Ouvi falar que tudo que é popular é vulgar. É um bom argumento... mas não é tudo, claro... só maior parte. Na postagem anterior, comentei sobre a vadiagem das cantoras pop. Reforçando, isso é capitalismo doentio. Tais mulheres revelam indecência, ensinam má cultura, fazem os idiotas vibrarem e causam a onda de ignorância para que? GANHAR DINHEIRO! Sim, dos trouxas alienados em sua idolatração.

Para piorar, pensemos na indústria da moda. Sabe para que serve a moda? Dar beleza? Gerar fama? Criar romance entre casais finos? Nem pensar... é a tal da grana! As pessoas correm para comprar as roupas que estão na moda para depois jogar fora quando sair da moda, ai compra outras que também entrarão em desuso e assim move essa área inútil da economia a base do desperdício.

Tem mais. Pensou na televisão como um veículo que transporta manipulação? Por que as pessoas comentam tanto sobre os famosos? Por que perdem o seu tempo discutindo quanto dinheiro tem o Bill Gates e Carlos Slim? Para que dão atenção às notícias que falam das confusões que os famosos arrumaram? Essa sociedade não sabe dar valor às próprias vidas mas dá à de quem tem status!!! Rede "Bobo", a gente se vê por aqui... onde enchemos a sociedade de #$&@! Bom, convenhamos... não é apenas a Rede Globo que faz isso.




Sinceramente, há áreas muito mais úteis que as pessoas poderiam valorizar mais. Ciência, tecnologia, medicina, psicologia... ainda assim, perdem tempo e "money" com essas coisas. Claro, o que citei são só exemplos. Há coisas bem piores por aí, como a criminalidade. Seja como for, o capitalismo doentio é motivado pelos alienados. Claro, há o envolvimento do caráter do burguês, mas isso não é tudo. Só isso raramente é suficiente.

Inclusive, ouvi falar que Bill Gates tem doado a sua fortuna. Imagine! É claro que não é a riqueza que revela o caráter de um homem, mas sim sua mente. Outro exemplo de rico bom é o Silvio Santos. Cara, esse sim é o bom velhinho! Não é porque tem uma fortuna que teve que vender a sua alma.

Sim, pessoal, o mundo é cheio de exceções. Existem os ricos bons e os pobres de mentalidade realmente baixa. Bandidos e traficantes não merecem crédito! E um homem bem de vida e honesto? Este sim. O dinheiro é uma coisa complicada. As pessoas gostam de fazê-lo criar mitos, como a inexistente proporção entre o dinheiro e a felicidade. Tinha que ser a sociedade, não é? Ela sempre é a culpada... sempre se rende à burrice...




Isso é um pequeno resumo do que revela o nível intelectual da sociedade. Acredite, há muitas coisas veneradas que não têm o mínimo valor. Por isso, o avanço está quase extinto. Eu não tenho esperanças ao analisar tais fatos. É o que todos dizem: cada um faz o que quer.

Beijar qualquer um lá na balada. Gastar dinheiro com o que quiser. Mostrar o traseiro para a vizinhança inteira. Dar um tiro nos pais e na sua namorada. É o seu "direito", pois podemos fazer o que queremos. Não tem ordem! Nessa hora, a ordem e a lógica fazem falta. Enquanto isso, os pobres cientistas tentam sustentar o povo com o conforto que usufruem sem gratidão. Escolhem dar valor a quem tem menos valor. Decisão de cada um... 

20 de nov de 2010

Grupos Sociais e Gostos Musicais

Para começar, uma boa fonte de informações (algumas com palavrões):
>> Patricinhas http://desciclo.pedia.ws/wiki/Patricinha
>> Funkeiros http://desciclo.pedia.ws/wiki/Funkeiro
>> Góticos http://desciclo.pedia.ws/wiki/Gotico
>> Rock http://desciclo.pedia.ws/wiki/Rock
>> Emo http://desciclo.pedia.ws/wiki/Emo
>> POP http://desciclo.pedia.ws/wiki/Pop

Com certeza, as músicas não necessariamente revelam o verdadeiro "eu" das pessoas, mas é uma pista do gosto que temos. Há casos em que a pessoa é relativamente eclética neste aspecto, logo não pode-se tirar conclusões precisas com poucas amostras para avaliá-la. Mas a que categorias musicais cada grupo social se associa? Que costumes têm e as consequências?

Uma coisa que não costumo falar por aí é que tenho horror a funk. Sabe, há os eróticos onde as pessoas dançam como animais irracionais e a maior parte das garotas que curtem não têm vergonha de revelar a sua perverção. Eu creio honestamente que o criador do funk pornográfico tinha uma mente poluída com o desejo de manipular as pobres mentes fracas para tirar proveito. Veja o resultado: mais mulheres mostram a bunda por aí. Será isso humanamente aceitável? Mais ainda, a maior parte das funkeiras são barraqueiras. Isso significa que as vulgares manipuladas têm uma natureza relmente incosciente.


Funk é isso. Tal cena é tradicional. E olha que inteligentes...
a bunda dela não está onde o funkeirinho desejava. Hehe...!


Não só existe o vulgar funk pornográfico, mas também outros menos piores. Uns até passam boas mensagens. Maaas... perceba que todos têm a mesma batida e os vocais cantam de maneiras muito parecidas. Parece um clichê...! E sabe do funk neurótico proibidão? Nem comento sobre essa coisa de marginal...

Isso me faz pensar que não existe muita criatividade e a qualidade das batidas nunca melhoram. Repare ainda: a principal música que os favelados e os caras ditos "boladões" curtem é o funk. Por que os malandros gostam tanto disso??? Não é em vão que em qualquer lugar que escuto funk (seja qual for) eu sinto uma atmosfera muito pesada, como se as intenções dos adeptos fossem ruins.

Aliás, por que será que até hoje os únicos que eu vi deixando o celular tocando para todos no ônibus eram funkeiros? Por que só eles forçam-nos a escutar isso? Repare também no nível de periculosidade dos bailes funk. Por que logo eles...? Drogas, crimes, violência, gangues, rufiões e tudo...

E o pop? Cara, existe todo o tipo de pop. Romântico, juvenil, vadio, muitos... Detalhe: Christina Aguilera, Madonna, Brithney Spears, essas safadinhas fazem um sucesso insano vendendo a própria imagem. Como pode???! Botem a mão na consciência, façam massagem, relaxem e pensem: cadê a lógica...? Hoje em dia, as pessoas gostam mais de sacanagem. É muita depravação. Isso é digno?

Se eh isso que querem, por que não baixam um video pornográfico da net?

"Ai, RHER, que vulgar..."
Tudo bem... beleza... mas então,
por que está vendo esse videoclip da Brithney?
Sinto um cheiro forte de hipocrisia... ou será de burrice?

Pelo menos, os animes ecchis usam cenas picantes em forma de comédia.
Mas quem ri da cara da Madonna quando ela esta fazendo os seus gestos?

Agora, o que eu não entendo é o por que de existir tantas garotas que curtem músicas românticas e não revelam tanto conhecimento. Lembra-se do caso da menina Eloá? Acabou morta, sendo que ela tinha essa personalidade. Será que a sociedade está seguindo estes padrões? Amor doentio tem matado pessoas. Acredito que ela podia sim avaliar a personalidade do Lindemberg antes dos dois namorarem. Eu mesmo nunca namorei porque não quero qualquer uma. Eu realmente escolho e sou muito exigente quanto a garotas!

Razão contra emoção...


Não é normal... mesmo...


Até agora não encontrei a pessoa certa e nem por isso desisti da estratégia.
Quem dá mais valor à sensibilidade comparado à intelectualidade é de fazer rir.

Mesmo que não ocorra tanto com as tais patricinhas, acho muito frequente elas serem este tipo de pessoa. Elas gostam de caras que revelam superioridade em algum aspecto: popularidade, beleza, riqueza... no final das contas, não possuem o gosto por atributos mais decentes, como inteligência ou moralismo. Sendo bem sincero, não me dou muito bem com as pattys. Creio que sabedoria e humildade estão extintos nelas. Há poucas legais, menos ainda inteligentes.

Uma coisa que eu reparo nos que gostam de rap e hip-hop, assim como reggae, é que os que seguem este estilo são muito animados e se tratam como irmãos. Na certa, acho uma cultura e um grupo social muito digno. Há grupos de estilo pop que têm estas propriedades, até podendo relacionar isto com o fato de que os estilos citados neste parágrafo são bem populares. Repare que existem coisas populares boas e ruins. Existe má cultura na sociedade, mas não é tudo. Só não sei se é verdade que o reggae é um sinal de maconha.   ~.~'

A cultura musical que mais me surpreende é a do rock, principalmente o metal. Cara, existem tantos subgrupos! Não falo das categorias do metal, mas também das categorias sociais. Existem os góticos, neuróticos, até os emos estão neste grupo (ou não... emos são do rock ou do pop...?). Existem estilos bem clássicos de metaleiros (mesmo os violentos, ou não) assim como contemporâneos (emos... já que surgiram recentemente) e ainda os que estão entre pessoas comuns. Mais engraçado é como os nerds de hoje em dia curtem uma guitarrinha bem gostosa. Hehe... sim, sou nerd metaleiro. Ou ao menos fui...


 Guitarra e violino andam juntos algumas vezes.


As pessoas relativamente normais que escutam metal têm semelhanças com os que escutam músicas clássicas, orquestras, new age e outras músicas ricas em boa cultura. Uns escutam algumas músicas violentas com palavrões mas ainda não chegam ao ponto de quebrar objetos e, incrivelmente, gostam também de músicas calmas e toques bem felizes. Sim, eu sou um exemplo. Este é, na certa, um gosto que está se espalhando com muita intensidade. É o que mais observo. Mais ainda observo que muita gente inteligente escuta metal.

Há muitos gostos musicais e a maioria associa-se com grupos sociais. Inclusive, há coisas bem exóticas e pouco conhecidas que formam grupos bem especiais. No caso dos otakus, a maioria dos que conheço adora um metal mas, mesmo assim, muitos têm um gosto bem engraçado: músicas japonesas presentes em animes. Eu baixo OST's ("Original Sound Tracks", trilhas sonoras) de animes  e jogos eletrônicos para avaliá-las. Encontro muitas boas, até deixei algumas (com uns metais) disponíveis nos aplicativos musicais do blog para escutarem.

Entende...?
Os gostos criam tendências.
Claro, cada pessoa é uma pessoa.
Existem exceções para tudo no mundo.
Ainda assim, perceba as relações.
Pense... perceba e pense...
Por que...?

10 de nov de 2010

Cultura Otaku VS Preconceito

Dicionário de expressões:
Anime >> animação produzida no Japão.
Mangá >> história em quadrinhos japonesa.
Otaku >> fã de animes e/ou mangás.
Otome >> o feminino de otaku.
Cosplay >> fantasia e interpretação dum personagem fictício.
Cosplayer >> usuário de cosplay.

Quem é otaku sabe que há pessoas que os preconceituam como estranhos ou infantis. Em dias de evento otaku, os cosplayers são muito estranhados na rua, ainda que roupas exóticas também sejam usadas em bailes a fantasia, festas de Halloween, carnaval e outros eventos bem animados que não são estranhados.

Não é direito do otaku fazer o que ele gosta? Muitos apreciam videogames, esportes, praia, livros, filmes e tudo mais. Por que não assistir anime e ler mangá? Ninguém nunca me convencerá que há imoralidades por trás disso. Isso sem contar que assistir uma cena dum anime raramente é o bastante para julgar seu conteúdo. É uma obra como qualquer outra, não são todos iguais e são modos de expressão e formação de cultura.

A indústria de animações segue épocas. Em seu surgimento, os épicos eram os predominantes, como "Samurai X", "Shurato", "Os Cavaleiros do Zodíaco" e "Yu Yu Hakusho". Cada vez mais, os animes foram ficando ecléticos e atendendo a mais variados gostos. Agora, as tendências estão na simpatia e na fofura. Uns até chegam a ser chatos, mas nem todos.

Já vi até misturas de tendências antigas e novas em uns animes modernos, como a violência entre garotas guerreiras com seios grandes. É o épico com o sensual. Parece que essas mudanças no panorama criaram o verdadeiro preconceito. Antes, anime era coisa de macho. Agora, começou a virar coisa de excêntrico. Mas por que? Há muito o que avaliar antes de julgar.


Erza Scarlet ou Titânia, do anime Fairy Tail.
Conquistou a carisma de muitos espectadores.


Hoje em dia, muito do que há no mundo dos filmes e dos livros também está no mundo dos mangás e animes. Os filmes e jogos de "Resident Evil" não são os únicos da série. Existe o mangá e, se há mangá, talvez já exista ou existirá o anime (bons mangás viram animes, assim como livros viram filmes). Além disso, baseado nos filmes de ação e terror de zumbis, surgiu o HOTD ("High School of the Dead"), anime e mangá centrado em estudantes de uma escola que lutam para sobreviver. É um bastante novo e interessante, mesmo sendo picante.

Qualquer coisa que você possa imaginar existe em forma de anime e mangá. Quer ação? Aventura? Drama? Romance? Suspense? Terror? Para cada um existe anime. E mais, conheço um que tem todos estes: "Ragnarök, The Animation". Possui um fraco tom de terror, mas todos os outros aparecem alternadamente. É um anime baseado no "Ragnarök Online", primeiro jogo online coreano que foi exportado e o primeiro MMORPG a ter um servidor oficial aqui no Brasil.

Este anime conta uma história incrível. Começa com uma história sem rumo até que as tramas começam a seguir um caminho. Os perigos vão surgindo, a ameaça que envolve os heróis lentamente toma um caráter cada vez mais global até o momento em que o grande mal aterroriza o mundo e coisas épicas ocorrem. Assim como no jogo eletrônico, há elementos de várias culturas: orcs, mortos-vivos, demônios, minotauros, fantasmas, magos, sacerdotes e outros. Fantasia e história fascinantes.


Roan, o cruzado de Ragnarök The Animation. É um personagem
legal, mas um pouco burro. Aprende sobre a vida com dificuldade.


Há produtos otakus livres para crianças, mas também os reservados para adultos. "Dragon Ball Z", por exemplo, é teoricamente um anime impróprio para crianças (mesmo que muitas assistam) devido à violência explícita, assim como "Saint Seiya" ("Cavaleiros do Zodíaco"). 

Estão na moda e fazendo muito sucesso no Japão os animes ecchis (animes picantes), diferentes dos hentais (pornográficos, mais pesados). Os ecchis possuem piadas sexuais ou mesmo eventos (as vezes bem estranhos) que divertem os otakus tarados. Parece que isso será proibido lá no Japão, aí não existirão. Lembre-se de que há filmes não pornôs que têm tal propriedade, logo não é só coisa de anime.

O mais incrível é que os animes, de tão viajantes, possuem mensagens incríveis. Há vezes que não entendemos porque realmente é algo sem sentido, mas há os casos em que a obra é realmente genial. Até hoje, eu não descobri qual era a "Verdade" (metafórica) a que se referia Zephyrus, o bruxo de "Ragnarök, The Animation". Os animes japoneses ensinam muitas coisas (boas e ruins, como qualquer coisa) que me surpreendem. Por exemplo, a grande importância da responsabilidade, da inteligência, do amor (coisa que muitos idiotas preconceituosos acham inútil), o drama de perder um parente ou amigo, os sentimentos ocultos...

Apesar de que me surpreendo mais ainda com o grau de alienação dos otakus japoneses. Bem... o Japão é meio que a terra da fantasia, não é...? Afinal, foi lá que originou-se a cultura otaku. Ainda assim, lá o preconceito é mais fortes. Os otakus escondem os seus hobbys por não saberem das consequências dos seus segredos descobertos. Muitos animes retratam exatamente esta questão: como os otakus são vistos pela sociedade.

Estranhos, alienados, retardados, perdidos, amaldiçoados, inúteis...


Cosplay bonita, não é? A fantasia dela é de Felícia, do
anime e jogo Night Warriors ou Darkstalkers ou Vampire.


Observe algumas frases bem clássicas que permanecem no século XXI:

"Anime é para criança."
Se fosse, não existiriam hentais porque são animes pornográficos.

 "Não gosto deste estilo animado. É maluquice e perda de tempo."
Isso é um hobby como qualquer outro e uma questão de gosto.
Tem problema para você o fato d'eu gostar disso...?

"Otaku é tudo igual."
Se fosse, otakus não discutiriam. Cada um tem um gosto.
Inclusive, existe tanto otaku nerd quanto não nerd, acredite!
No final das contas, somos pessoas e temos personalidade...

"Cultura otaku é coisa de retardado."
Problema nosso. Eu sei se sou ou não, estou satisfeito com a verdade e nada vai mudar isso. Gosto por anime, mangá e mesmo pela cultura japonesa não definem a nossa sanidade ou intelectualidade. Até acho que é melhor ser retardado do que bastante idiota e mal educado a ponto de cometar a ignorância de julgar os otakus sem conhecer e crer que são todos iguais.

"Animes/Mangás são mentirosos."
E os filmes de ação onde mergulhar na água de um lugar bem alto não mata? Pular da ponte é 100% seguro? E aqueles filmes onde os animais sabem falar? Não se esqueça: há mentiras que são interessantes. Magia, imprevistos e efeitos podem muito bem precisar de exageros para ter alguma graça. Particularmente, gosto mais de animes surreais por realmente fugir da rotineira realidade. Ainda assim, há exageros exacerbados demais para gostarmos, eu admito.

"Otakus são perigosos. Eles são alienados e gostam de violência."
Alguns imitam os golpes de personagens de animes de ação. Sim, isso é fato. Mas quem disse que isso significa ser bruto ou violento ou alienado? Puts..., atacar o ar não machuca ninguém! Mesmo artes marciais exigem disciplina. Há casos extremos, mas em geral achar isso legal não é uma alienação. No Japão, o índice de anormalidade é alto, mas aqui é bem diferente. Mais uma coisa, não generalize as pessoas sem conhecer as tendências locais. Se um imita de brincadeira, não necessariamente outro o fará.

Resumindo:
Os hobbys de um otaku têm equivalências com os duma pessoa comum.
Há diferenças nos gostos dos adeptos desta cultura. Cada um é único...
Pouco as pessoas sabem a respeito desta categoria da nossa sociedade.
Por que olhar com maus olhos? Por que não entender o sentido? Pense...

30 de set de 2010

Egoísmo e profissionalismo

Terça e quinta-feira. Dia de aula até 19:00. Todos os dias, vou à faculdade de manhã. O dia todo fora. Nem sou acostumado. Ainda completa-se dois meses de rotina nova, não mais preso em casa e sem compromissos não letivos...

E hoje...

Enquanto saio da faculdade, avisto o meu ônibus. Posso usar o 516 e o 503 do Transcol (518 também, mas desaconselhadamente). Naquele momento, passava o 516. Mesmo cansado, eu corro para pegar o ônibus e ir para casa logo! Bem, o ônibus estava em baixa velocidade e eu já estava muito próximo dele, fazendo sinal. O motorista me viu e era fácil parar. Por que não parou?

Nem foi-se muito tempo, passou o ônibus de rota 503. Haviam muitos ônibus parados no ponto, congestionados por chegarem simultaneamente. Aquele que eu queria estava no final, bem longe do ponto, mas era ele. Impacientemente, o motorista decide passar pela faixa do lado e deixar os clientes como eu na mão. O final da história: peguei um 518... 99% cheio... de noite... ele passa numa rota longa... e dois ônibus muito vazios podiam me levar para casa rapidamente, isso se não fosse a existência da mediocridade! Está vendo o que é ignorância? Mesmo o homem trabalhador pode não ser humilde de coração...

Este acontecimento me fez pensar no porque do Brasil não ir a frente. Sempre há um fanfarrão que não está interessado em fazer um trabalho bem feito. Bem, existem motoristas legais que até buscam fora do ponto se fizermos sinal, mas são raros. Mais frequente vemos os que te largam no ponto. Nem querem saber! Pergunta: quem nunca foi deixado no ponto de ônibus sem algum motivo...? Sei que o cara rala, recebe pouco e tudo, mas eu e muitos outros dependem dum serviço bem feito...!

Incrível é como o cara, sendo trabalhador, não entende a situação do rapaz que passa o dia todo fora, trabalhando, estudando, pesquisando e outras coisas. Se não fosse egoísta, teria a compreensão e não desrespeitaria o direito de utilizar o serviço oferecido por ele. Não é só uma pessoa que trabalha até a noite! Não é impossível alguém ficar até tarde estudando ou cursando! Até mesmo aqueles que saem de noite para ver alguém merece algum crédito. Sabe, é esse mesmo o cara que quer greve logo na primeira desculpa. Luta pelos direitos? Ouvi falar que a greve é a última alternativa, mas a maioria deles não pensa assim... ah, e como ficamos quando isso nos pega de surpresa? Meus estudos atrasavam...


Um motorista de ônibus furioso é bem capaz de fazer isso...   XD


Olhando por um lado mais global, o homem que tem um emprego garantido não costuma ter grandes preocupações. Quais são as chances de uma pessoa gravar alguma identificação a noite de forma que sua falta de ética seja denunciada? Na política, isso é muito visível. As consequências da falta de profissionalismo agem muito fortemente.

Eis um grande defeito que define o caráter de um homem. Foi assim que muitas pessoas morreram nos hospitais, foram assaltadas a noite num ponto de ônibus, comeu algum alimento intoxicado no restaurante... coisas que parecem pequenas acabam com uma vida por culpa de um panaca desprezível.

Revoltante...

_______________________________________________________________


Atualização!
Estas postagens de uma comunidade do orkut são bem construtivas.

André Luiz 03/10/10

"Interessante o texto sobre o onibus passar direto. Eu tambem sofro pacas com onibus lotado e que deixa a gente pra tras. Mas tenho o costume de andar ali na frente e volta e meio escuto conversa de motorista. Nesse caso descrito por voce, o motorista te "abandona" pois crê que o que vem atras te pegará no ponto. Ele acaba de certa forma pensando em todo o resto que já está levando, pois não pode atrasar a viagem de todos. Creio que metade dos motoristas que fazem alguma "sacanagem" com agente, não faz por mal. O que resolveria mesmo é a empresa deixar de ser FDP e colocar mais onibus pra rodar nos horarios de pico. No fim das contas, quem presta um mal serviço é a transportadora de forma geral, não o motorista."


"Na verdade, esperar que o onibus la atraz o pegue eh uma desculpa esfarrapada. E se o onibus la atraz for um que nao passa na rota que desejamos/precisamos? E se o proximo onibus que nos serve, na verdade, esta bem longe...? E se a viagem dos passageiros nao estiver tao problematica? E se o cara la no ponto eh quem esta atrasado? Afinal, eh obrigaçao levar a quem esta no ponto desde que ainda caiba gente no onibus. Pressa nao eh desculpa! Havendo atraso, a culpa nao eh do motorista e sim do transito, mas largar o cara no ponto nao o faz inocente a nao ser que seja por falta de atençao e ainda assim uma falta de atençao no volante eh terrivel. Todos sabem disso! Nao tem como o motorista adivinhar quem esta atrasado ou nao e deve tratar a todos com igualdade. Nao acredite nessa desculpa. Mas realmente o maior culpado eh sempre o burgues porque pensa que nao precisa se preocupar com nada alem da sua grana..."

25 de set de 2010

Política contemporânea no Brasil

Eu acho que é impossível existir uma política mais irritante que a brasileira e mais ainda é inverter o quadro. Como acabará a corrupção? Por que a nossa política é a pior? Por que só voto nulo? Falarei apoliticamente sobre a política.

Sabe por que o voto é obrigatório? A desculpa é que as pessoas não votariam se não fosse. Mas uma coisa eu não entendo. Se já houve no Brasil a luta pelo direito de votar, por que hoje é obrigação? Quem queria o direito já tem, mas e agora?  Ninguém precisa ser obrigado a votar hoje em dia. Isso só nos gera perdas. Não podemos obrigar as pessoas a utilizar o direito que têm, nem por questão de consciência e responsabilidade. Não adianta mesmo...

Tudo bem, existem os que não se interessam e têm preguiça de influenciar nas decisões que mudarão o país. Ainda assim, a maioria dos que não querem votar simplesmente admitem que não sabem em quem votarão ou mesmo não têm as mínimas condições de fazê-lo. E aí? Vale a pena jogar na sorte quando falamos de política? E se o eleitor, que não sabe em quem votar, resolve vender o voto? Afinal, o voto pra ele não faz diferença e gerou ganho.

Está aí! O voto permanece obrigatório e ajuda os políticos mais safados a tirar proveito dos pobres necessitados. Não adianta fingir que todos votam com uma total consciência! O voto obrigatório não tem sentido, tanto que ninguém obriga um eleitor a votar pelo menos em um candidato que não seja nulo. Isso apenas força o eleitor a sair de casa e perder algumas horas do dia, além de abrir mais uma possibilidade de ações ordinárias na política.

Não ache certo crer que todos têm que ter consciência, responsabilidade e inteligência para aplicar o seu "direito" de votar. Sempre haverá alguém sem perícia para agir nesta área do conhecimento. Como pode alguém concordar com a obrigação de votar e ainda amar o Brasil? É ilógico um cidadão inteligente possuir as duas propriedades simultaneamente (pelo menos após ler este texto... mas será que alguém pode provar que não?).

Outra coisa que me gera descrença e desgosto é o fato de que nunca podemos garantir que um candidato fará o certo. Quando o desconhecemos, não sabemos se as suas promessas e seus projetos são apenas instrumentos manipuladores. Maior parte dos eleitores só pode confiar na cara do candidato que aparece na TV! Quem pode ler a mente do político e descobrir se é ordinário o não? E pior: se um político com fama de bonzinho descobre um golpe, ele é ASSASSINADO! Só fica quem é malandro. Os outros fogem com o rabo entre as pernas quando encaram a realidade de frente se tem amor à vida.

No final das contas, me pergunto se vale a pena votar. Que diferença faz...?!! Sinceramente, mesmo que só o 1% da população mais apta votasse, não faria diferença. Garantidamente, não pioraria. Mas como isso conseguiria mudar a situação? Sinceramente, isso me causa 100% de desinteresse na política.

Em que está pensando? Concorda comigo em algum ponto?
Ainda pretende reservar um bom tempo pensando em quem votará?
Irá se dedicar a isso quando poderia ler um livro bem construtivo...?
Tem uma boa ideia de como melhorar as coisas? O que fará agora?

20 de set de 2010

Programação básica

Quem nunca ouviu a palavra "algoritmo" em sua vida? Lembra-se do algoritmo de Euclides para calcular o MDC (coisa do ensino fundamental)? Algoritmo é a sequência de instruções que, ao seguida em ordem, nos leva a alguma coisa. É claro que um algoritmo mal feito nos leva a uma complicação no lugar da solução.

A programação está 100% baseada na idéia de algoritmos. Quando queremos criar um programa, precisamos pensar nos procedimentos a se fazer de modo que possamos obter a solução. Um pequeno exemplo é o cálculo de fatorial. Como calculamos 4! manualmente? Seria assim: 5! = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 = 120 .

Computacionalmente, podemos revelar esta relação: se "n = 0", "n! = 1", caso contrário, "n! = n . (n-1)!". Daí, o procedimento está definido. Para 5!, nós temos: 5! = 5 . (4!) = 5 . 4 . (3!) = 5 . 4 . 3 . (2!) = 5 . 4 . 3 . 2 . (1!) = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 . (0!) = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 . 1 = 120. O PC faz tudo passo a passo do jeito que o ensinamos.

Simples, não é?

Na verdade, este é o básico. Num programa, há preocupações como:
1 ) Interação entre o usuário e o programa (como o usuário dirá o valor de n?);
2 ) Tratamento de exceção (se n<0, não há n!, então como impedir este erro?);
3 ) Possibilidade de opções (se o programa for bom, pode não só calcular n!);
4 ) Procedimentos para obter a solução;
5 ) Uso da solução (talvez para obter outra solução com outro procedimento);
6 ) Revelação do resultado final para o usuário.
Há casos em que temos mais preocupações.
Nós podemos aprender a fazer cada etapa.

Essa é uma das coisas que um programador aprende. Parece complicado, mas na verdade não é fácil escrever uma poesia ou compor uma música ou ainda projetar uma obra. Por que os grandes softwares seriam de tão fácil produção? Tudo tem um conhecimento básico que pode nos levar a um mais avançado gradativamente. Além disso, tudo é procedimento ou informação, só.

Além do conceito de algoritmos, ainda precisamos aprender mais conceitos que nos permite produzir mais facilmente programas complexos. Citarei exemplos:

1 ) Abstração >> Despreze dados inúteis do problema para que possa solucioná-lo. Como alguém calculará o volume de um objeto se preocupando com todas as suas características (cor, beleza, condições de conservação...)? Quando não há uso para algo, não podemos pensar em onde utilizar tal dado. Fazê-lo é perda de tempo e apenas causará confusão. Isso torna o trabalho mais humano.

2 ) Modularização >> Sabendo que dados são necessários para um problema e como se dividem os procedimentos do mesmo, podemos repartir este problema em subproblemas, cada um com um algoritmo peculiar, e uní-los em um algoritmo. Isso ajuda a abstrair-se, pois algo útil no programa pode ser inútil em uma etapa e tal acontecimento possibilita algumas simplificações no problema para resolvê-lo bem mais tranquilamente. Cuidado: isso exige prática! Erros e confusões são muito comuns no início. Programadores precisam de um pouco de imaginação.

3 ) Recursão >> Há problemas que são recursivos e o computador pode tratá-los de maneira especial. Um exemplo é o fatorial. O procedimento recursivo seria: "n! = n . (n-1)!" e há uma condição de parada "0! = 1". Existem muitas variedades de problemas recursivos (não só matemáticos) com características bem distintas.

4 ) Reuso de código >> Está ligado à modularização. Quando modularizamos, costumamos dividir algoritmos e cada parte tem uma referência. Quando nós precisamos de uma em especial (por exemplo, preciso calcular um fatorial ou uma potência ou cosseno ou algo assim), podemos chamá-la por meio da sua referência. Isso possibilita várias chamadas do mesmo por meio de um simples comando que, mesmo repetidas vezes, usa o mesmo código. Este reuso também ocorre entre programadores: um cria um recurso novo, outro o utiliza em seus serviços e projetos. Interessante, não? Isso permite o trabalho em equipe, que adianta um grande projeto. Na certa, um conceito fundamental.

5 ) Linguagem de programação >> É a ferramenta principal de um programador. Cada uma tem suas vantagens e desvantagens, suas abordagens peculiares, intenções de uso e conceitos especiais. Coisas como a legibilidade, rapidez, eficiência, segurança, ferramntas disponíveis, simplicidade e facilidade que a linguagem oferece para aprendê-la são atributos muito analisados. Quando uma linguagem possui muito de um atributo, outro costuma ser menor. Existe a conveniência entre as linguagens e tipos de programas que podemos mais facilmente produzir utilizando cada linguagem. É importante destacar o fato de que cada linguagem exige uma maneira de pensar bem diferente, logo um programador deve especializar-se em algumas ou ser simplesmente genial a ponto de conhecer a arte da versatilidade mental.

6 ) Teste e correção >> É quase impossível encerrar com sucesso um grande projeto sem testes e correções. Não é bom testar tudo apenas no final, mas sim testar cada recurso a medida que é terminado para facilitar a correção. Os testes têm que ser bem dinâmicos para pegar erros muito sutis. Esta etapa exige um pensamento estratégico e muita paciência.

Não precisamos pensar apenas em problemas matemáticos. A computação pode resolver vários tipos de problemas. Como gerenciar cadastros? Qual é a melhor das mil escolhas que estão numa lista? Como eu resolvo o problema da "Torre de Hanói"? Qualquer coisa que pode-se resolver por instruções é possível para o computador. Bom é que ele faz o trabalho exaustivo para nós (basta ensinar o procedimento). Acredito que ser um programador é conhecer a arte de pensar. Precisamos saber resolver para ensinar o computador a fazê-lo.

15 de set de 2010

Seriedade na computação

Muitos acreditam que a computação é um conhecimento insano que envolve complexidade exagerada, como se os programadores precisassem entender instintivamente o que o computador diz e raciocinar como se fosse um. Na certa, o PC é uma máquina poderosa capaz de fazer muito em pouco tempo (há vezes que nem é suficiente), mas não significa que precisamos ter este mesmo poder para trabalhar com ele (se o tivéssemos não precisaríamos deles).

Para explicar como é errado pensar que a computação é um conhecimento bem anormal, devemos revelar o mundo da computação que a maioria desconhece. Fato é que já houve uma época que tais conhecimentos eram mesmo insanos. Quando surgia a computação, a manipulava-se diretamente o hardware (a máquina física), ajeitando os botões para definir valores binários, tanto comandos de máquina quanto dados.

Foi uma época negra! Os computadores eram lentos, exigiam bastante conhecimento e o aquecimento do equipamento (bem grande) era muito perigoso. Com o passar do tempo, ideias geniais contornaram o problema.

Muitas coisas ajudaram no desenvolvimento da área da informática (que é a que mais cresce). A ideia de software (a máquina abstraída do hardware, ou seja, a mensagem concreta que os circuitos do PC nos oferece) nos escondeu a caótica necessidade de manipular números binários. Um importante software é o sistema operacional, que permite usar os dispositivos, programas e outros recursos sem entendê-lo fisicamente. Foi um avanço tão grande que até vovó e o vovô podiam tirar a maior onda lá nos sites de relacionamentos! Afinal, é mais sugestivo ver janelinhas e figuras ou utilizar comandos binários?

Com o tempo, a insanidade virou um trabalho organizado e com um sério grau de profissionalismo. Na certa, a construção do hardware (parte física, concreta do computador, que executa o software), sistema operacional, programas, redes e tudo mais é muito complexo. Em compensação, o trabalho em equipe e divisão do mesmo em áreas faz com que cada um necessite apenas da especialidade em uma das tais áreas para que o serviço se complete.

Com isso, grandes técnicas e avançados conhecimentos surgiram a ponto de termos computadores realizando bilhões de somas num segundo (quando houve épocas que mal chegavam a milhões) sem a necessidade de alguém saber tudo sobre eles (quem sabe é um gênio, na certa).

Nos dois próximos parágrafos, utilizarei termos um pouco menos leigos.
O objetivo não é acabar com a didática. Espero que todos possam entender...

Já que um faz o processador, outro a memória principal (RAM), outro ainda a secundária (HD), o monitor, a impressora, o teclado, o mouse e cada aparelho independentemente, eles pode evoluir bastante. Após um fazer o sistema operacional, nem o programador precisa se preocupar com o funcionamento profundo da máquina.

Aí, alguém faz facilmente um compilador de uma linguagem (programa que, a partir de textos com comandos numa linguagem de programação, é capaz de gerar programas projetados) e os programadores já podem fazer o seu trabalho só de aprender a linguagem correspondente à do compilador criado. Pode-se, com isso, criar novos editores de texto, as calculadoras, os navegadores, os jogos e tudo o que é software, até mesmo outro sistema operacional (e mais rapidamente em relação ao primeiro).

Melhorando as coisas, os projetos de softwares utilizam recursos e técnicas que permitem muito avanço. Os programas são produzidos com novos conceitos para simplificar e agilizar o trabalho para produzir um grande programa mais rapidamente. Há pessoas que trabalham com o objetivo de oferecer uma linguagem que melhora as coisas neste aspecto. A linguagem criada satisfaz um perfil de programador e cada vez mais linguagens com novas abordagens e ideias surgem.

O programador escolhe dentre cada vez mais opções, podendo criar programas mais poderosos. Com tudo cada vez mais fácil, os programadores podem utilizar toda a sua criatividade e genialidade em outros detalhes, permitindo um trabalho mais elaborado, dando mais rendimento à inteligência dos mesmos. Facilidade e rapidez dão poder.

Hoje, fazer uma minicalculadora não é difícil a ponto de precisar de um QI elevadíssimo por causa dos avanços, mas se tem genialidade aproveite e faça calculadoras avançadas, que integram numericamente, resolvem equações diferenciais... ou seja, grandes projetos do passado são hoje pequenos.

Resumindo, ninguém precisa saber tudo sobre o computador. Se um faz um bom trabalho, o do outro evolui. O mutualismo faz da computação uma área muito promissora. Projetos grandes em grupo são mais facilmente completados e há vezes que técnicas espertas de programação geram ganhos de muitos possíveis tipos: economia de esforço humano e tempo, aumento na qualidade e rapidez do programa produzido, entre outros.

Não pense que todos os programadores são loucos.
Nem mesmo os engenheiros computacionais e fabricantes de peças de PCs.
Existe organização e esperteza no trabalho com computação. Pode acreditar.

31 de ago de 2010

A linguagem matemática

A matemática é uma maravilhosa área que faz uso de uma linguagem formal e um conjunto de ferramentas que cada vez mais se expande com o objetivo de solucionar problemas generalizados que costumam envolver a lógica (apesar da matemática ser um pouco fechada aos números) e o raciocínio abstrato. Esta expansão ocorre com a obtenção de conhecimentos similar às ciências: a partir de verdades já comprovadas, outras são descobertas (o que impede o uso de conhecimentos falsos).

A diferença é que o início da matemática foi axiomático, enquanto o científico partiu de experimentos e conhecimentos já existentes. Similar às ciências em geral, a matemática possui um conjunto de áreas com regras, propriedades e técnicas. O domínio de uma técnica permite a resolução de problemas cujo modelo é compatível com a mesma e muitas vezes o aprendizado de outra técnica. Isso significa que um bom matemático é aquele que domina tanto a linguagem e a semântica desta maravilhosa área que é capaz de aplicar as habilidades sem desrespeitar as regras impostas. Repare que a matemática é como qualquer área neste aspecto: o aprendizado é uma reação em cadeia, pois o que se aprende agora é o básico do conhecimento futuro.

[Wikipédia] Matemática é a ciência das regularidades.
Segundo esta definição, o trabalho do matemático consiste em examinar padrões abstratos, tanto reais como imaginários, visuais ou mentais. Os matemáticos procuram regularidades nos números, no espaço, na ciência e na imaginação e as teorias matemáticas tentam explicar as relações entre elas.

Muitos não gostam de números, mas é questão de prática e maturidade. A facilidade que eu tenho pode vir do meu passado estudioso ou do meu QI (segundo os testes da internet, está entre 125 e 140, em média 130). Quando eu estudava no ensino fundamental, eu sempre fazia todos os exercícios de todas as disciplinas. Mas não vivia só estudando! Tenho um gosto antigo por jogos eletrônicos e animes, o que me deu um mundo teórico bem nerd. Hoje, eu pouco estudo e muito faço numa prova de Cálculo Diferencial (é um conhecimento de exatas do ensino superior).

[Pitágoras] A matemática é o alfabeto com o qual Deus escreveu o universo.
Não adianta fugir. A matemática está por toda a parte no universo inteiro!
Tudo o que podemos fazer é dominá-la... ou, pelo menos, aceitá-la.

Faço faculdade de Ciência da Computação e tenho interesse pelas áreas de Matemática Computacional e Otimização (que também envolve conhecimentos de lógica matemática). Mais tarde, farei um postagem que revela a verdade dos cursos de computação com o objetivo de mostrar o fato desta área não ser tão insana a ponto de merecer o preconceito das pessoas que a desconhece e nem deseja estudá-lo por horror.

Lembre-se que o conhecimento de matemática baseia-se em linguagem, imaginação e ordem. Se puder raciocinar, aprender uma nova maneira de expressar ideias e respeitar regras, na certa pode-se estudar exatas.

Basta querer.

15 de ago de 2010

Paradoxo, um mistério lógico

Quem entende a fundo de lógica sabe que costumamos classificar argumentos como verdadeiros ou falsos, mas há situações em que não podemos fazê-lo. Era como se faltasse o "terceiro excluído" (não podemos recorrer a ele). De certa forma, um paradoxo é caracterizado pela contradição que ocorre entre os argumentos ao considerá-los verdadeiros ou falsos. Seja como for, existem infinitos paradoxos. Qual é a realidade destes problemas de exemplo?

1 ) Paradoxo do barbeiro (essa é clássica). Numa aldeia de Sevilha, o barbeiro fez uma promessa a um santinho. Serei bom e barbearei a todos nesta aldeia que não se barbeiam. Mas somente eles. Mas ele pode se barbear? De fato, o barbeiro é um aldeão, logo barbear-se faz com que o barbeiro barbeie quem se barbeia. Por outro lado, se ele não se barbeia, está deixando de barbear quem não se barbeia. Que situação delicada... e aí, santinho, o quê ele faz?

2 ) Paradoxo do Mal X Deus.
É impossível o mal existir se Deus é bom, onisciente e onipotente.
2A ) Se Deus é bom e onisciente, sabe como e ainda quer acabar com o mal. Apenas falta ele ser capaz de fazê-lo. Será Deus onipotente nessa hora?
2B ) Se Deus é bom e onipotente, quer e pode fazer o que é preciso contra o mal. O problema é saber o que precisa ser feito. Será Deus onisciente?
2C ) Se Deus é onisciente e onipotente, sabe como acabar com o mal e pode fazê-lo. Mas se ele for mal, não o fará. Será Deus bom o suficiente para isso?
Se existe o mal no mundo, como pode existir um Deus com estes três atributos?

3 ) Paradoxo da onipotência, tentando quebrar crenças religiosas. Não existe onipotência, logo um Deus onipotente. Por quê? Quem é capaz de quebrar uma lei científica inquebrável? Se Deus não pode criar uma rocha que ele mesmo não pode levantar, acabou! E se ele pode? Aí, ele não pode levantar a rocha. E sabe da história do "raio não cai no mesmo lugar"? Bem, é impossível obedecer a esta lei fazendo um segundo raio cair no mesmo lugar. Óbvio, não? Mas se Deus comanda os raios, como ele contorna a lógica e mantém-se capaz de tudo? Então... será que a onipotência existe? Estes são argumentos fortes.

Repare que os paradoxos anteriores partem de premissas inválidas. A promessa do barbeiro é impossível! Eis um evento enlouquecedor. Os outros dois vêm de argumentos que ninguém provou logicamente. Este quarto é mais simples: "Esta frase é falsa". Ou "Eu sou mentiroso". Como classificar estes argumentos? Que paradoxos mais simples...! O problema é que... não sabemos que argumento inválido deu origem. Só se pode dizer que a validade da premissa é 100% desconhecida.

Existem vários paradoxos famosos na história do mundo. Basta pesquisar um pouco e encontrará estas assustadoras contradições. Eles surgem mais nas áreas da filosofia e da matemática, principalmente porque uma das formas de provar que um argumento é falso (o que aparece aos montes nestas áreas do saber) é mostrar que sua validade gera um paradoxo.

Observação: 0=1, 1=2, 47=96... não são paradoxos, e sim falsidades.
Eu provo a falsidade de qualquer argumento que diz que estes são paradoxos!
Mas eu não entendi aquele paradoxo que diz que os cavalos têm a mesma cor.

E então?
Não é apocalíptico pensar que o mundo está envolvido em paradoxos?
Será que existem paradoxos que não surgiram de uma falsidade?
Afinal, qual é a verdade e qual é a mentira neste mundo...?!

7 de ago de 2010

Semana inteligente concluída

Reservarei este post para dar uns avisos e fazer umas propagandas. Já aviso que realmente há áreas do saber em que me destaco, mas não tenho um conhecimento aprofundado de tudo que posto neste blog. Há vezes que eu não sei se é verdade e posto como teoria para você pensar e talvez criticar e corrigir.

O que posto no blog são simplesmente conhecimentos que costumamos não parar para pensar, pensamentos incomuns e a minha opinião sobre algumas áreas do saber que me fascinam. Na certa, desejo revelar somente conteúdo que tenha caráter intelectual. Não desejo expor futilidades.

Ainda assim, não pense que o que faço é perda de tempo. Tudo o que posto aqui é fruto da minha imaginação e significa que eu racioninei para fazer algo. Logo, pode-se pensar que este é um blog que ensina o leigo a pensar e tirar conclusões (sem se apegar a idéias não comprovadas), desenvolvendo o nível lógico e intelectual. Raciocínio é uma virtude que venero!

Como exemplo, eu não entendo de astronomia. Ainda assim, fiz dois posts sem bases em conhecimentos avançados. Digo que eu pensei sobre o assunto e demonstrei sinais de raciocínio. Tenho um colega que entende de astronomia, logo possui conhecimento. Raciocínio e conhecimento são ótimas virtudes. Este mesmo colega fez um blog sobre astronomia.

Há coisas corretas e erradas que posto no blog sobre variados assuntos. Se você admira a minha maneira de pensar, fico feliz e agradeço. Se quer entender mais sobre o assunto, te apóio para pesquisar (uma boa fonte para astronomia é o blog que apontei). Se já entende, faça um comentário no post e engrandeça o nosso arsenal de idéias.

Resumindo, o meu objetivo é mostrar o poder da mente humana e da lógica.
Não entendo muito de algumas coisas, mas procuro usar o senso crítico.
Sejamos lobos pensadores. Querem mais filosofias? Aguardem...


Agora, vai uma lista de blogs legais de meus amigos:

http://quasemisturado.blogspot.com/ misturando varias coisas


A partir de agora, os meus posts serão eventuais. Espero que tenham gostado dos posts diários da primeira semana. Agradeço a quem me ajudar na divulgação deste blog. Se quiser divulgar o meu blog, utilize este código HTML para o banner.


<a href="http://rherwolf.blogspot.com" target="_blank"><img src="http://i.imgur.com/Hh5rs.gif" alt='blog de lobo para lobo, conscientizando e compartilhando muita experiência de vida e ideologia.' border=0 /></a><br /><a href="http://rherwolf.blogspot.com/2010/08/lealdade-mae-gaia.html">Seja um lobo pensador também!</a>


Esta é a interpretação do HTML:
blog de lobo para lobo, conscientizando e compartilhando muita experiência de vida e ideologia.


Obrigado!
Boa noite.

6 de ago de 2010

Equação de Drake

Este texto está baseando no do Wikipédia. Achei engraçado. Esta equação foi formulada por Frank Drake com o objetivo de estimar o número de civilizações extraterrestres que poderiam comunicar-se conosco. É uma viagem incrível...!

A equação está baseada num produto que utiliza princípios de probabilidade e subconjuntos. Foi criticada pela falta de detalhes avançados (realmente enlouquecedores) como a possibilidade das civilizações fazerem viagens intergalácticas para colonizar. Que papo mais nerd, não é?

Eis a equação:
N = R . p . E . l . i . c . L
Somente "R" e "L" possuem unidades de medida.
As variáveis em maiúsculas são grandezas.
As variáveis em minúsculas são frações.

N = (número aproximado de civilizações em nossa galáxia que têm condições de se comunicar com os terráqueos)
R = (taxa de formação de estrelas em nossa galáxia, medida como frequência)
p = (probabilidade de uma estrela qualquer ter planetas em órbita)
E = (número médio de planetas num sistema solar com condições de vida)
l = (probabilidade de um planeta com condições realmente desenvolver vidas)
i = (fração de planetas habitados que desenvolveram vida inteligente)
c = (probabilidade da civilização ter condições e desejo de comunicar-se)
L = (tempo de vida médio da civilização)

Estes foram os valores estimados por Frank Drake a base de pesquisas:
R = 7/ano > > > > > > > > > > > [não sei se realmente é possível estimar]
p = 50% = 1/2 > > > > > > > > > [viagens espaciais podem permitir a estimativa]
E = 2 > > > > > > > > > > > > > [acho um número bem razoável]
l = 33% = 1/3 > > > > > > > > > [não sei... parece bom, mas sei lá...]
i = 1% = 0,01 > > > > > > > > > [de onde tirou isso? da cabeça?!]
c = 1% = 0,01 > > > > > > > > > [pior ainda]
L = 10.000 anos > > > > > > > > [ . . . ]

Com isso, aproximou-se "N = 2,3". Entendeu a idéia? Considerou-se que a cada 4.350 anos (aproximadamente) há o surgimento de uma civilização que estabeleceria comunicação conosco e que a civilização desaparece em cerca de 10.000 anos. Mas a nossa desaparecerá em quantos anos? Seja como for, nada foi provado. Pura conjectura.

Eu acho engraçado. Como pode acreditar tanto nesses números? Na verdade, eu acho loucura pensar que está estimando bem os valores. Há variáveis que realmente podemos estimar com muito esforço, mas aquelas probabilidades...

Ainda assim, valeu a tentativa.
COMENTEM...!!! ^^

5 de ago de 2010

A psicologia sagrada

Eu já falei da possibilidade do Pai celestial ser o que realiza o movimento de todo o universo e revelei o fato de que podemos pensar até os limites da nossa criatividade e noção de lógica em relações entre esta idéia e as virtudes divinas, indicando ponteiros que voltam-se para tal teoria. Ainda assim, há vezes que nos encucamos ao pensar em argumentos para certos preceitos. Por exemplo, como um quase infinito lote de energia poderia nos amar?

Questão de argumentação.
Vou comentar um pouco sobre isso. Eis a minha opinião em alguns pontos.

O amor de Deus tem uma gigantesca evidência: sem energia, não há vida. Tudo que compõe a ecologia depende do toque Dele. Se ele quisesse, não forneceria o que precisamos e deixaria o mundo sem energia, sem movimento, sem vida. A graça do mundo para o Senhor está na beleza da vida.

Mas se há vida, há morte! Se há movimento, há violência! Se há livre arbítrio, há caos! Realmente, não teria graça se Deus interviesse em tudo. Deve-se levantar e andar sem depender de milagres. Por isso, raramente há intervenção divina. Isso gera maldade, o que é contra a beleza da vida que Ele criou e sustentou. Por isso, o Ser que está no céu "chora" (conotativamente).

Por falar nisso, por que Deus está no céu? Teoricamente, ele é onipresente. Bom, se está em todos os lugares, é claro que também está no céu! E mais: se a integração de toda a energia que existe compõe o Ser divino e a Terra é um minúsculo ponto do espaço com uma mínima fração da energia, é claro que no céu há muito mais energia, logo há muito mais Deus lá fora do que entre nós.

Saiba que a energia segue as leis científicas. Isso significa que o maior cientista e arquiteto que já existiu é o nosso Criador, já que ele é dono de toda a ciência e construiu tudo o que há por aí. Será que há muito o que comentar sobre a onisciência dele? Rapaz, Deus é o cara! Sabe tudo porque criou tudo. Conhece a sua criação mais que ela mesma de tanto observá-la.

E as punições? Dizem os espíritas que existem manifestações de boas energias (partes de Deus que funciona com bondade) e energias negativas (que são usadas por seres iludidos, que causam dor sem motivo) e, quando alguém gera uma energia negativa, o sistema de reações em cadeia (que dependem do funcionamento das leis estudadas pela ciência) faz com que esta energia retorne a sua origem, devolvendo a ação como reação. Uma analogia é a lei física da ação e reação das forças, mas esta envolve energia e a propagação é mais complexa. Na verdade, nem eu entendo... mas Deus não tem culpa.

Gostou?
Que tal brincar de pensar também?

4 de ago de 2010

Teoria estranha a respeito do universo

É claro que meros mortais não viram o universo surgir. Afinal, será que ele surgiu? Será que existiu algo antes dele? E se o universo não aguentar a pressão, pra onde tudo vai parar? Temos o direito de acreditar (ou desacreditar) em teorias, afinal elas podem ou não ser verdadeiras pelo fato da realidade ou falsidade não ter provas. Ainda assim, há alguns conceitos que nos levam a idéias aparentemente válidas.

Falando nisso, eu pensei em uma nova teoria. Uma bem engraçada. Já pensou se todos os eventos no universo se repetissem indefinidamente? Uma história de bilhões (ou mais) de anos começa a se repetir numa constante (e pequena) frequência. Será possível? Ninguém irá provar que é verdade (eu acho...), mas dá para reunir argumentos que revelam a possibilidade. Está curioso?

Como discutido no tópico anterior, a teoria do Big-Bang está baseada na ação da lei da gravitação universal (o universo está encolhendo em consequência da atração das massas). Há um centro que atrai toda a matéria e cada vez mais ganha massa, gerando uma força gravitacional cada vez maior. Será que o Big-Bang não tem "tanto uma cara de início quanto de fim do universo"?
 
A partir da explosão, acarretada pela absorção de tudo no universo, este "tudo" continuou se reunindo da mesma maneira que fazia antes. No dia que o universo inteiro estiver bem concentrado novamente, o buraco negro estará bem forte, com muita matéria, energia, pressão e possibilidade de explodir novamente, formando um ciclo universal.
 
Isso permite concluir que a teoria do Big-Bang nos leva a uma repetição infinita. Parece que o universo aguenta bastante explosões, não é? Podemos fantasiar ainda mais: caso a próxima explosão ocorra exatamente da mesma maneira que a última, com um princípio similar à indução matemática pode-se crer que o universo vive andando em círculos, repetindo tudo o que ocorre em cada parte do universo infinitas vezes. Em pensar que nós já nascemos várias vezes de nossas mães... estranho, não? Na certa, é muito para a nossa sanidade...
 
Mas qual é a probabilidade desta explosão imitar a última tão perfeitamente? Parece uma gigantesca coincidência. Ainda assim, talvez muitas explosões ocorrem (quem sabe muitas mesmo, já que o espaço tem tempo) até que alguma anterior se repita, definindo um ciclo completo (entre infinitos).

Pensar numa possível realidade nos gera muitas possíveis idéias (estranhas).
Talvez o tempo seja realmente infinito, tanto o passado quanto o futuro.
Mas o universo tem um limite espacial definido na explosão.
Afinal, a partir dela não é possível ganhar mais espaço.
O universo encolhe! Aquela é a definitiva fronteira.
É caótico acreditar que estamos presos a isso.
Mas será mesmo essa a realidade?!
Você enxergou a lógica?

3 de ago de 2010

A validade da teoria do Big-Bang

Todos nós já ouvimos falar da, provavelmente, "furada" teoria do Big-Bang. Quem nunca ouviu no ensino fundamental? Ela diz que as massas foram se reunindo em um ponto do universo chamado "buraco negro", mas de tanta massa e energia concentrada houve uma reação que espalhou a matéria por várias partes. Complicado acreditar nisso, mas sei lá.

Se esta for a verdade, o universo surgiu de uma explosão que gerou uma bagunça bem caótica. Na certa, o universo foi se modificando a partir de menores reações, porém possivelmente em cadeia. Isso seria um conjunto de eventos que constrói a história do universo. Mas há algo lindo nesta história...

Quem conhece a lei da gravitação universal?

Dois corpos têm uma estranha tendência a se aproximarem, como se estivessem carregados eletricamente. Mas esta gravitação não tem envolvimento de campo elétrico, mesmo que seja similar. No lugar das cargas, usam-se suas massas. Também tem a proporção inversa ao quadrado da distância deles. A constante também é diferente. Resumindo, há uma fórmula parecida com a de elétrica que se refere à força de atração gravitacional de dois corpos, pouco visível no nosso dia-a-dia.

É isso que gera a gravidade na Terra, nos planetas, astros e tudo mais. Quanto mais massa e menos tamanho, maior é a força da gravidade de um planeta. Inclusive, sabe-se que até entre os corpos do espaço existe a gravitação (é isso que faz os planetas deste sistema solar mover-se em torno do sol). De fato, há leis que mal podem ser observadas no mundo, pois este planeta é restrito a condições que as tornam pouco influentes. Mas lá fora a coisa é diferente e a gravitação é muito impactante.

Pode ser que em volta do universo exista um vazio, mas o que está nele tem um centro de massas que não muda (afinal, não há nada externo ao universo). Isso nos leva a crer, instintivamente, que o buraco negro estava naquele ponto. Por que não? Isso é lógico! O buraco negro reuniu muita massa e começou a juntar o que estava fora com cada vez mais intensidade. Quando toda a massa esteve na vizinhança do centro de massas do universo, o que havia lá fora era o nada. Nenhuma força externa mudou o centro de massa.

Finalmente, encontramos uma argumentação que faça esta lei parecer verdadeira. Na certa, a gravitação permitiu a reunião destas massas. A única coisa que não entendemos é como houve a explosão. Pode-se pensar que havia muita matéria no ponto, gerando muita densidade e pressão, e ainda havia muita energia lá. Há reações químicas poderosas que ocorrem com muita pressão e calor (energia interna). Logo, pela presença de várias possíveis substâncias, variadas reações ocorreriam e causariam a explosão.

Então, você acredita na teoria do Big-Bang?
Particularmente, não sei se acredito, mas sei que ela tem lógica.

2 de ago de 2010

Já pensou em Deus logicamente?

Na certa, não existem provas concretas a respeito da existência ou inexistência de Deus. Tudo que temos é a fé e os testemunhos de eventos milagrosos. Ainda assim, experimentos não provam que há um ser maior que lidera a vida e a ama mais do que qualquer coisa. Hoje, existem pessoas que acreditam na existência, mas também há os que não acreditam. Mas... e eu?

Bem, eu acredito sim na existência. Inclusive, posso não saber toda a verdade, contudo tenho o direito de acreditar no que julgo fazer sentido. Talvez pareça loucura, mas eu tenho uma teoria sobre a existência divina e as suas consequências no universo. Se tem interesse, reserve um tempo para analisar...

Sabe-se que o Senhor não é material, mas celestial. Cientificamente cremos somente na existência de matéria e energia no universo, mais nada. Se Deus não possui massa, o quê Ele seria? Como muitos acreditam, isto leva a crer que Deus (não só Ele, mas espíritos em geral também) é puramente energia.

Sendo Ele especial, podemos imaginar coisas incomuns. Como o movimento do universo depende da energia que circula nele, milagres dependem dela. Além disso, dizem que Deus está em cada um de nós. Será que não podemos pensar que cada pedaço da energia do universo é parte de um grande ser?

Se parar para pensar, esta teoria faria com que qualquer outra idéia que temos a respeito Dele aparentará ser mais concreta. Onipotência, onipresença, onisciência, eternidade, imortalidade... mesmo que precise de uma complexa linha de raciocínio, qualquer propriedade divina é preservada com a validade desta teoria.

Alguém concorda comigo?